• Equipe wwwarpando

Como recuperar (a saúde de) sua empresa

Certa vez, um conhecido meu, a quem chamarei de Pedro, me contou o que estava acontecendo na empresa em que trabalhava. Começou a me dizer que era impossível trabalhar deste jeito pois o RH não fornecia informações que necessitava. O diretor do financeiro não conversava com as pessoas e era muito difícil entender o que estava acontecendo. A empresa estava em seu quarto ano consecutivo com resultados no vermelho, mesmo as pessoas fazendo hora extra para tentar reverter a situação. Era comum ele não ter vontade de ir trabalhar. Contratavam pessoas com excelentes curriculos para “turn things around”, para dar uma guinada. Pedro me dizia que não sabia mais o que fazer, pois era impossível trabalhar com estas e outras áreas da empresa. Na época, eu comentei que seria impossível ajudar ou mudar enquanto se acreditasse que o problema era de uma ou outra área. Ainda pior, seria impossível ajudar enquanto houvesse a necessidade de “culpar” alguém. Pois quando se culpa alguém ou outra área, qualquer solução será como enxugar gelo. O que seria necessário, como um primeiro passo, seria começar a compreender que cada um é responsável por sua parte, e compreender que o problema era sistêmico, do todo.


As empresas funcionam como um grande organismo vivo, o qual pode ficar doente quando não está em harmonia. Se um órgão (departamento) está fraco, outros terão que se sobrecarregar para manter a máquina/ o corpo/ a empresa funcionando.


Quando o corpo está doente e não se sabe ao certo onde a doença está, começam a aparecer sintomas: febre, dor de cabeça, insônia, manchas na pele, etc.


E as empresas? Quais os sintomas que sinalizam que a empresa não está saudável?


  • Resultados sempre no vermelho (ou constantemente retornando ao vermelho), mesmo após o auxílio de consultorias;

  • Alto turnover (rotatividade de funcionários, demissões X contratações);

  • Constantes erros (ou falta de) de comunicação;

  • Excesso de processos judiciais, especialmente trabalhistas;

  • Excesso de reclamações de clientes;

  • Excesso de equipamentos quebrados, luzes queimadas, problemas de software em excesso, vazamentos de toda ordem;

  • Fraudes constantes;

  • Alto absenteísmo;

  • Clima de trabalho pesado;

  • Excesso de punição.

Se a empresa possui, no mínimo, 2 ou 3 dos sintomas acima, a probabilidade de ser um problema sistêmico é muito grande. Mas o que é um problema sistêmico?


O problema sistêmico é como uma infecção generalizada. Já se alastrou para todos os órgãos, ou seja, é um problema da empresa como um todo e não de um departamento ou de uma pessoa. Outro detalhe importante é entender que o sintoma (problema) em um departamento não significa que a causa esteja lá. Pois ele pode muito bem ser apenas um reflexo. No corpo humano, seria como ter dor de cabeça, porém a causa é o fígado com dificuldade de funcionamento gerando uma dor reflexa na cabeça. Na empresa, seria o resultado sempre negativo, aparentando ser um problema operacional, devido à baixa produtividade, por exemplo. Porém, o que pode ocorrer é uma “liderança” sem um treinamento e preparo adequado, a qual desmotiva e gera um clima organizacional pesado, roubando a energia que seria da produção naturalmente. Uma questão muito comum devido a simples falta de informação e preparo.


Mas o que fazer para solucionar um problema sistêmico?


Para solucionar um problema complexo, primeiro divide-se em duas frentes:

  1. Definir soluções paliativas, imediatas (como colocar um curativo sobre uma ferida) para aliviar o sintoma;

  2. Buscar as várias causas (reais) e começar a desenhar e executar planos de ação em várias frentes. Estes podem ser feitos em fases, de acordo com o orçamento e a prioridade (porém a prioridade aqui seria em termos de impacto, analisado em uma matriz de riscos, ou seja, começar pelo problema que gera efeitos mais pesados no todo).


Muitas empresas contratam consultorias para auxilia-los. Porém, uma questão muito frequente é que os líderes não querem ouvir sobre as reais causas, principalmente quando sua própria forma de liderança é uma das causas, na maioria das vezes por não ter tido a oportunidade de participar de um treinamento mais desenvolvido de liderança. É muito comum o líder aceitar treinar os funcionários, mas ele próprio tem dificuldades de aceitar que necessita também de um treinamento de liderança, justamente por não ter este conhecimento. Outro fator na contratação de consultorias que não gera um bom resultado duradouro, é o fato que muitos planos de ação são feitos baseados em causas não muito profundas. Logo, o problema será resolvido somente superficialmente. E, em breve, a empresa estará doente novamente.


As principais e mais comuns causas de problemas sistêmicos são:

  • FALTA DE VISÃO SISTÊMICA

  • Alta hierarquia insiste em culpar os subordinados (política de finger points). Esta cultura se cascateia em todos os níveis abaixo, gerando um ambiente altamente negativo, imaturo, onde todos são culpados, mas ninguém é responsável;

  • Falta de treinamentos específicos;

  • Missão, visão, valores não são claros ou não são cumpridos por quem os criou, consequentemente, por ninguém;

  • Objetivos e metas não são claros;

  • Políticas de RH não são desenvolvidas;

  • Falta de plano de carreira e de responsabilização;

  • Falta de procedimentos claros e formais. Funções concentradas nas mãos de poucos (controlam os demais);

  • Falta de um departamento ou função de normatizão e controle (auditoria, controles internos, projetos, processos).


Como elaborar e executar um bom plano de ação para dar uma guinada na situação?


1) Contratar consultores com visão profunda e sistêmica para direcionar;


2) Ter a mente aberta e comprometimento para receber a verdade dos fatos e não o que se gostaria que fosse. Neste ponto é importante compreender que a resistência à mudança pode e irá ocorrer, e faz parte do processo. Faz parte da biologia do cérebro humano. E é um processo de médio e longo prazo. Estudos em mudanças organizacionais apontam uma média de 9 meses para a redução natural da resistência ao novo. Isto fica mais fácil de compreender ao entender a biologia de renovação celular, a qual tem esta média para estruturas celulares mas simples. Logo, a resistência poderá ocorrer pela liderança ou pelos demais níveis organizacionais. O importante é compreender o papel da perseverança por parte dos mais conscientes do processo.


O que mais pode ser feito para manter uma empresa saudável em adição aos planos de ação desenvolvidos em cada empresa?


Similarmente ao corpo humano, as frentes de cuidado para a saúde de uma empresa são:


  1. Física: condições de trabalho saudáveis, em termos de temperatura, limpeza, alimentação e conforto, quando possível. Estímulo à atividade física e pausas, recreações.

  2. Emocional: tratamento humano e igualitário aos indivíduos. Estímulo à inclusão de todos. Estímulo a atividades sociais fora do horário de trabalho.

  3. Mental: Treinamentos constantes e oportunidades de crescimento sempre que possível.

  4. Espiritual: compreender que a empresa é um único organismo e que, se uma parte não está bem, o problema é de todos. E cada um é responsável por uma parte. Estimular esta cultura pelo exemplo da liderança.


Afinal, quando um corpo está em equilíbrio, ele produz muito pois tem energia, não é verdade?


Pela Conselheira Meri Elen Garbelotti

- Bacharel em Administração de Empresas pelo Mackenzie

- MBA em Gestão de Projetos pela FGV

- Atualmente cursando Psicologia na Brock University

- Aproximados 10 anos de experiência em auditorias, incluindo auditoria de processos (operacionais, financeiro e de TI), auditoria e consultoria de responsabilidade social, projeto SOX, fraudes, implementação de todo sistema de auditoria, projetos de auditoria, incluindo-se internacional.

- Empresas: Walmart, Gol, Silver Airways (EUA), SGS e Intertek (as últimas com programas Disney, Nestlé, Coca cola, Palmolive, ABVTEX, entre outros)

- Auditorias externas em empresas de pequeno, médio e grande porte.

- Atualmente disponível para projetos de consultoria através da M&G Auditoria e Consultoria, a qual é sócia fundadora.


Contatos

E-mail: mgarbelotti@hotmail.com

Telefone (WhatsApp): +1 365 855 1110

Leia também:








Inovar, novos olhares, novas economias, Fluxonomia 4D - Pela Simone Catalan















A importância da presença do líder nas organizações - Pelo Reinaldo Rachid














Propósito: Autenticidade para Renovar - Pela Conselheira Isabela Sobreira

Receba nossas atualizações

  • YouTube - círculo cinza
  • LinkedIn - círculo cinza
  • Instagram