• Equipe wwwarpando

O fluxo na velocidade da luz


Hoje resolvi continuar a Jornada por aqui com a metáfora da viagem de carro. Muito se vem escutando sobre perceber o fluxo, aprender a gerir e estar em ambientes complexos… Porém, sempre me passa uma dúvida. Como fazer isso? Então fica o convite para embarcar comigo nessa viagem e para trocarmos percepções.


Imagine-se em uma estrada fazendo uma viagem de carro. O que temos ali: Primeiramente um grupo de pessoas com um propósito comum. Chegar em segurança ao destino final. A partir desse propósito cria-se uma sintonia e uma confiança de que todos estão alinhados, ou seja, que ninguém irá sair pelas estradas querendo fechar os carros ou bater nos demais.


Porém, isso pode acontecer. Correto? Podemos ter falhas e erros e levar uma fechada daquela de nos tirar o fôlego. O que fazer? Recuperar o ar, ressignificar a situação e não sair por aí querendo descontar. Ou seja, partimos da confiança de que foi sem intenção, nos realinhamos e seguimos em frente. Também não podemos deixar os erros nos paralisar.


Além disso, podemos criar recursos para os erros não serem cometidos novamente, ou para minimizá-los. Por isso, existem os sinais como luz de freio, setas, farolete etc. No nosso dia a dia criar instrumentos, ferramentas para a comunicação e integração também é importante. Mas também, é legal treinar a nossa percepção mais sutil. Sentir se sua velocidade está compatível com a via que está transitando, se os carros a frente ou ao lado estão no mesmo ritmo ou tentar visualizar lá na frente. Ou seja, em ambientes complexos precisamos tentar coletar o maior número de percepções, pontos de vistas, possíveis e ter a consciência de que mesmo tendo isso você não tem a visão da totalidade.


Ah, a tecnologia também pode contribuir, principalmente, se ela for gerida em coletivo. Basta pensarmos em como os aplicativos contribuem com a nossa segurança nos informando sobre acidentes, radares, carros parados, etc.


Tem alguns momentos da estrada que sentimos ainda que tem outros carros a nos acompanhar. Já sentiu isso? Que ao longo do caminho tinha um carro amigo? Pois é, e de repente ele some, e de repente ele reaparece até que vira a esquerda e você segue em frente. Essa situação me remete às parcerias estabelecidas ao longo da jornada. Em algum momento elas desaparecem e reaparecem e isso tem que ser compreendido com naturalidade.


Por fim, considero ser fundamental nos perceber nessa estrada. Como estamos? Com atenção plena ou cansados? Está na hora de parar um pouco? Estamos confiantes ou com medo, inseguros? É fundamental nos colocarmos nesse processo, controlarmos as pressões, o caminhar e as pausas para chegar ao final dessa jornada.


Esperam que façam longas e belas viagens que conheçam e desbrave muitos caminhos ao longo da caminhada. Não esqueçam de compartilhar conosco as suas experiências de estrada, elas nos ajudam a seguir na velocidade da luz.


Por: Simone Catalan

Leia Mais:








Perspectivas para 2021 - Pela Simone Catalan












O Princípio da Divindade Essencial - Pela Pá Falcão











O Vão da escadaria, os negócios de impacto e o Kit de Sobrevivência. - Pela Ângela Schmidt










Saber Economia é Preciso - Pela Conselheira Helena Siqueira Dornellas













Propósito: Autenticidade para Renovar - Pela conselheira Isabela Sobreira

19 visualizações0 comentário