• Equipe wwwarpando

Qual é a cor da sua lente?

Dizem por aí, que algumas pessoas enxergam o mundo cor de rosa. Outras pessoas acabam falando que o mundo não é cor de rosa, que é rosado, trazendo outras tonalidades da cor. Para outros o mundo é colorido e para outros é cinza. Então te questiono: Qual é a cor da sua lente?


Você pode optar por colocar a lente que quiser ou até mesmo nem ter lentes. O objetivo do artigo de hoje não é dizer qual lente você deve ter e sim refletir um pouco sobre perspectivas e visões de mundo. Não estou aqui para estabelecer um juízo de valor de que uma visão é melhor do que a outra.


A primeira perspectiva, que gostaria de ressaltar, é que a desigualdade social existente no mundo pode influenciar as percepções das cores. Não me resta dúvida que seja mais difícil para um trabalhador, que às quatro da manhã já está rumo ao trabalho, conseguir enxergar as cores. Afinal, a luminosidade ainda é precária. Caso seja uma mãe que passou a noite na rua em claro, cuidando de seu filho, sua visão pode estar embaçada. Enfim, a luminosidade pode sim intervir na percepção da cor, apesar de não ser determinante.


Sob outra perspectiva costumamos ouvir que a cor que você enxerga é influenciada não pelos fatores externos e sim por sua percepção interna. Que você precisa ser otimista para conseguir enxergar a beleza das cores da vida. Concordo que a vida é bela, que é um dádiva ter todos os ambientes, naturezas, oportunidades, criatividade, construções. Enfim, tudo que o ser humano tem a possibilidade de criar. Porém, acredito também que é muito complicado trazermos essa responsabilidade unicamente para o individual, uma vez que a vida se dá também no coletivo.


Um outro aspecto, que podemos ressaltar, é a quantidade de lentes que você teve a oportunidade de colecionar, ao longo da vida. Algumas pessoas possuem um repertório tão interessante que são capazes de ter visões multicolores. Quando não se tem um repertório diverso o cérebro pode não reconhecer essa ou aquela cor.


Aprofundando um pouco mais sobre o tema. Já que as percepções podem ser influenciadas pelas questões internas, externas e de experiências de vida. Qual é o sentido de tentarmos descobrir qual é a cor de uma determinada situação. Para mim, aqui está a importância de construirmos diálogos construtivos, empáticos e de compreensão da visão do outro. Para além de uma visão dicotômica de certo e errado. Que sejamos capazes, de no diálogo ampliarmos os repertórios.


Agora, porque ficamos tão preocupados com a visão disso ou daquilo, se temos diversos outros sentidos? Até que ponto, estamos realmente conectados de forma íntegra com as nossas mais diversas possibilidades? Não seria as cores apenas uma ilusão? Será que o caminho para "enxergar" a beleza da vida, não está em retirarmos todas as nossas lentes? Será que não existem diversas outras formas de conexão?


Não sei o que você pensa mas, para mim, não importa se meu mundo é rosa, rosado, cinza ou multicolor. O que realmente busco é uma conexão a partir da minha essência, da minha alma, da minha pureza. Podem julgar como inocência ou ingenuidade, às vezes eu também me julgo. Afinal, estamos sempre em um processo de autodescobrimento, de aprofundamento, de conexões consigo e com o outro. Os processos são por muitas vezes distorcidos. Porém, continuo optando por acreditar que no fundo todos queremos trazer para o mundo a beleza, construindo-a dia após dia. Lógico que nem sempre conseguimos trazer essa leveza, porém, escolho estar nessa presença.


Conte aí, qual é a sua cor?

Por: Simone Catalan

Leia mais :







Kekulé e o sonho do Planeta - Pela Pá Falcão












Quando vamos acordar ? ou Como vamos sair da Normose? - Pela Angela Schmidt













Como estão as nossas relações - pelo Reinaldo Rachid













A ciência dos ciclos - pela Pá Falcão

Receba nossas atualizações

  • YouTube - círculo cinza
  • LinkedIn - círculo cinza
  • Instagram