• Equipe wwwarpando

Você escolhe suas batalhas?

Dentro do mundo corporativo, já presenciei as pessoas ( e eu mesma), discutindo algo que estava certo ou estava errado, para um ou para outro, conforme um ou outro objetivo ou “agenda” que cada interlocutor tinha...


Por agenda, não entenda cronograma e sim INTERESSES!


Certa vez, um amado chefe que tive (que muito me ensinou...), presenciando uma destas discussões, me chamou depois num canto e me disse: “Li, vc é muito boa tecnicamente e acho que vc até tinha razão no que estava levantando... mas, pense... Valia a pena “brigar”? o que vc ganhou com o final da discussão, além de um inimigo e algum desgaste no fígado, por conto do nervoso? Li, pense e pense muito... Escolha as batalhas que vc quer brigar!”


Isso me “martela” até hoje”! Sou do tipo que , quando tenho uma argumentação , estou baseada em fatos e dados ou já tive alguma vivência na situação em discussão, exponho o meu ponto de vista sem problemas... Sem problemas? Acho que a polêmica aqui está no fato de que, por vezes, falamos de maneira muito contundente, não respeitando o limite do outro... ou falamos sem levar em conta a “agenda do outro”, ou, simplesmente (!) falamos para defender uma opinião, sentir o prazer de ter razão... o que a maturidade vem me mostrando, é que me custa não ter razão, mas me custa mais não ser feliz e não estar agindo de maneira assertiva em relação ao ambiente e relações como um todo e não só aquele fato isolado em discussão. Não sei se quero mais ter razão em tudo ou se quero poder, com perguntas e análises claras, convidar o outro a construir a razão, que, ao final, pode ser diferente da razão que eu tinha inicialmente... e se as análises não puderem ser claras, que pelo menos estejamos em um ambiente livre às reflexões, respeitando iniciativas e necessidades dos envolvidos, apoiando a construção de uma relação de confiança, onde não seja necessário esconder as “agendas”


Pensando muito nisso... achei um post! Desenvolvimento pessoal tem a ver com este protagonismo e estas escolhas! Batalhas podem ser uma bobagem... talvez, melhor mesmo seria estarmos todos no mesmo baile.


(“Casamento é difícil. Divórcio é difícil. Escolha. Obesidade é difícil. Ser “fit” é difícil. Escolha. Estar em débito é difícil. Ser financeiramente disciplinado é difícil. Escolha. Comunicação é difícil. Não comunicar é difícil. Escolha. A vida nunca será fácil. Ela sempre será difícil. Mas você pode escolher o quão difícil. Escolha com sabedoria”)



Por: Lígia Mardiression

Leia mais:







Voltando pra casa - Simone Catalan














Quando vamos acordar? ou Como vamos sair da Normose? - Pela Angela Schmidt

Receba nossas atualizações

  • YouTube - círculo cinza
  • LinkedIn - círculo cinza
  • Instagram